A HISTÓRIA INTERMINÁVEL DA GESTAO DE RUAS

All stories

No centro histórico de Amsterdã, a Haarlemmerstraat e Haarlemmerdijk são conhecidas como “a melhor rua comercial da Holanda”, segundo eleição nacional em 2012. As lojas diversas e originais e o plinth agradável com vitrinas definem a sua atratividade. A rua tem também uma escala humana, pelo parcelamento de edificações em pequena escala e pelo perfil da rua. E a maioria dos prédios é original, com plinths, detalhes composição autênticos.

Moradores, turistas e visitantes por um dia e os moradores locais do restante da cidade frequentam a rua. Ela não é superlotada com turistas, como é o caso de outros lugares em Amsterdã. Há vários hotéis e B&B’s, porém eles são de uma escala pequena, bem como os bares e restaurantes que atraem um tipo especifico de turistas e visitantes. Essa mistura de visitantes procura as lojas especializadas, mas também os cinemas e os restaurantes. O sucesso e a atratividade estão na mistura da oferta, aparência e qualidade da rua. Isso não aconteceu ao natural, o que retrata a história da transformação da rua. Nel de Jager esteve envolvida com as mudanças da rua e conta sobre a abordagem.

A NECESSIDADE DE MUDAR

A Haarlemmerstraat e –dijk foram construídas no inicio do século 17 como parte do Distrito dos Canais e do Jordaan. A rua era tradicionalmenteuma rua comercial, porém decaiu a um baixo nível da sua existência nos anos 1980. Quando Nel de Jager ia para seu trabalho no distrito Haarlemmerbuurt, em 1987, a rua era completamente diferente de hoje.

“Comecei lá durante a renovação urbana como voluntária do grupo de trabalho Gestão-de-loja, porque sentia que o bairro tinha um bom astral e potencial. Mas esses eram os anos fracos da área: havia casas e lojas fechadas, coffee shops, drogados, etc. Havia também muitos prédios ocupados, todos eles contendo um bar ou uma loja. Por isso, a área tinha um ambiente muito único”.

Foi a época em que o êxodo da cidade era alto. Muitas pessoas saíram do centro para novas áreas residenciais fora da cidade, muitos bairros urbanos tiveram edificações esvaziadas naquele tempo. Durante esse período, a via férrea passando pelo distrito Haarlemmerbuurt foi ampliada, e por essa razão, muitas casas na área foram demolidas. É por isso que não havia mais poder de compra no bairro, o que provocou efeitos nas lojas.

“Fui para trabalho com os empresários, porque eles também viram a degradação e tiveram medo de que a sua propriedade fosse logo desvalorizar muito. Para esses varejistas, o valor da loja era a sua pensão de velhice. Começamos a trabalhar para continuar atraindo clientes, o que nos permitia manter as funções comerciais. Porém, naquele momento havia pouca convicção em preservar a função comercial – principalmente nos departamentos municipais. Segundo a pesquisa econômica naquela época, as lojas não tinham direito de existência, à exceção talvez de um supermercado.”

Alguns dos prédios já foram comprados pela prefeitura – que tinha planos indefinidos para renovação ou demolição: “Em razão de os prédios fechados com tapumes causarem uma sensação de desconforto, trabalhamos com a gestão temporária dessas propriedades: negócios e vitrinas temporárias. E os artistas locais pintaram os piores prédios nas ruas, para que as aparências se tornassem mais atrativas.”

“Para o espaço de varejo existente, mas também para novos estabelecimentos nos andares térreos dos prédios, procuramos novos empreendedores: no Instituto de Negócios de Pequeno e Médio Porte em Amsterdã, eu estive envolvida no movimento de empreendedores nas áreas de renovação urbana na cidade. Cruzava com empresas e lojas interessantes, e chegava até elas com a pergunta sobre se elas se mudariam para o distrito Haarlemmerbuurt. Convencendo-as do futuro do bairro e da rua, mas também através de financiamento e alugueis baratos, atraímos essas lojas para a nossa rua.”

A VIRADA: A REDESCOBERTA DE QUALIDADE URBANA

“Quando a renovação urbana estava em progresso há alguns anos, e novas residências grandes foram construídas na área, notava-se que cada vez mais pessoas queriam ficar na cidade e não queriam ir embora. As pessoas tiveram a oportunidade de ter uma moradia maior na cidade. O resultado disso foi o retorno do poder de compra e, com isso, o dos varejistas, que por sua vez atraíram novas pessoas para a rua.”

“Além disso, muitos prédios históricos foram preservados, parcialmente pelos ocupantes, que mostraram que moradias e serviços poderiam ser mantidos sem maior demolição. Mas também devido à perda da fé na sobrevivência das lojas: muitos prédios existentes não tinham mudado; como resultado, detalhes e parcelamento originais foram preservados. A Haarlemmerstraat tem uma variação grande no plinth (alto, baixo, largo, estreito), o que dá à rua uma sensação agradável. Quando lojas são demasiadamente grandes, por exemplo no caso de supermercados e grandes cadeias varejistas, o resultado são janelas fechadas. Lojas pequenas oferecem uma vitrina ativa, mas a apreciação dessa qualidade só veio com o tempo. No final, pode se concluir que foi justamente a falta de fé na rua como rua comercial, que permitiu o espaço e o tempo para essa abordagem e, com isso, o sucesso da rua hoje em dia.”

ESPAÇO PÚBLICO

“Devido aos novos desenvolvimentos no Westerpark (Parque Oeste), e no Westergasfabriek (Fábrica de Gás do Oeste), a Haarlemmerstraat e –dijk agora faz parte de uma rede de rotas da cidade: pessoas passam andando e pedalando da e para a estação. A rua foi renovada na segunda metade dos anos 1990, com pavimento novo. Inicialmente, todas as vagas de estacionamento iam desaparecer da rua, porém conseguimos evitar isso, porque é importante ter algumas facilidades de estacionamento ao longo da rua. Espaço público não se trata tanto de carros versus os outros usuários, mas da acessibilidade geral da rua: para entregas, para moradores e para aqueles visitantes que querem vir de carro. O carro é o hóspede na rua, e o problema maior são os ciclistas e ciclomotores que dificultam atravessar a rua. Precisamos encontrar um bom equilíbrio entre todos esses tipos de transporte. O espaço público é importante também como espaço residencial, de dia e à noite. À noite, as ruas se mantém atrativas, não há escotilhas fechadas, pessoas vivem lá, há restaurantes – então a rua é viva e agradável.”

A RUA E A ABORDAGEM HOJE

“O meu papel como gestora de rua comercial tornou-se muito mais difícil com o tempo, porque a rua virou popular e as propriedades agora rendem dinheiro para os donos. Os espaços comerciais enriquecem e isso faz os preços subirem. Ao mesmo tempo, é preciso continuar com o posicionamento e a imagem da rua, e com a busca por negócios únicos e industrias especiais. Nunca focamos num segmento especifico, como alimentação ou vestuário, mas queríamos pelo menos manter a função comercial no bairro.”

“A visão principal para a rua é artesanato e diversidade. O que você tem e o que não, e quais empreendedores quer para gerar uma variedade maior de lojas para os clientes. Mudanças no varejo sempre aconteceram ao longo do tempo, não temos mais um ferreiro – porém a arte é seguir as dinâmicas e preservar a aparência da rua. Não existe uma fórmula de como fazer isso, mas a minha experiência como socióloga urbana me ensina olhar para a escala pequena e as dinâmicas, e respondê-las, de modo parcialmente intuitivo, pode-se dizer.”

LIÇÕES PARA UMA RUA AUTÊNTICA

Toda rua no centro histórico tem a sua própria identidade, é preciso encontrar o DNA e trabalhar em cima disso. Cada rua deve ter o seu caráter distinto, muitas vezes escuto pessoas dizer que querem uma rua como a Haarlemmerstraat, mas não se pode copiar isso, deve-se procurar estar conectado com o DNA da sua própria rua e cidade. Uma rua ou loja não é um museu, mantém-se dinâmica e você tem que responder a isso. E corresponder primeiramente às necessidades do bairro. Se não conseguir atrair visitantes do seu próprio bairro, não vai funcionar. Precisa-se juntar o poder de compra dos entornos da área. E a diversidade do bairro é importante também.”

“Autenticidade, parcelamento e prédios históricos são um dado, porém, é preciso trabalhar para o processo dar certo. Organizar uma rua boa é um processo que pede tempo e esforço – especialmente para conectar pessoas e empreendedores. Não pense numa imagem final ou planta, mas em passos do processo e nas dinâmicas das lojas. Precisa-se enxergar o movimento de baixo para cima e facilitá-lo, ao invés da abordagem de cima para baixo, como muitas vezes é a pratica da prefeitura. Nunca encaro uma rua como um projeto com um começo e um fim, mas sempre como um organismo que cresce com o tempo e que precisa a sua atenção constante.”

Hey, you!
We’re searching for new writers and stories about plazas and city centers.

Interested? Join The City At Eye Level and share your story!

Discover more

LIÇÕES PARA UMA RUA AUTÊNTICA

Toda rua no centro histórico tem a sua própria identidade, é preciso encontrar o DNA e trabalhar em cima disso. Cada rua deve ter o seu caráter distinto, muitas vezes escuto pessoas dizer que querem uma rua como a Haarlemmerstraat, mas não se pode copiar isso, deve-se procurar estar conectado com o DNA da sua própria rua e cidade. Uma rua ou loja não é um museu, mantém-se dinâmica e você tem que responder a isso. E corresponder primeiramente às necessidades do bairro. Se não conseguir atrair visitantes do seu próprio bairro, não vai funcionar. Precisa-se juntar o poder de compra dos entornos da área. E a diversidade do bairro é importante também.”

“Autenticidade, parcelamento e prédios históricos são um dado, porém, é preciso trabalhar para o processo dar certo. Organizar uma rua boa é um processo que pede tempo e esforço – especialmente para conectar pessoas e empreendedores. Não pense numa imagem final ou planta, mas em passos do processo e nas dinâmicas das lojas. Precisa-se enxergar o movimento de baixo para cima e facilitá-lo, ao invés da abordagem de cima para baixo, como muitas vezes é a pratica da prefeitura. Nunca encaro uma rua como um projeto com um começo e um fim, mas sempre como um organismo que cresce com o tempo e que precisa a sua atenção constante.”

RELATED
STORIES

All stories