PELA FORÇA DE 10

All stories
  • Placemaking
  • Parks

ESTÁ NA LINGUAGEM

A Força de 10 é uma ideia simples. O fundamento do conceito é o de que há muitas atividades num bom lugar e bons motivos para se estar nele, talvez 10 ou mais. Toda pessoa olha para um lugar de uma perspectiva diferente, baseada nas suas próprias experiências, sua própria cultura e personalidade. A Força de 10 oferece um quadro fácil e compreensível que estimula habitantes e stakeholders a revitalizar a vida urbana. Mostra que, ao começar esforços numa escala pequena, eles podem alcançar muito. O conceito proporciona algo tangível às pessoas para elas alcançarem e as ajuda a visualizar o que é preciso para fazer com que a sua comunidade se torne maravilhosa.

Pessoas e espaços se encontram para fazer a noção do lugar. Uma vez que pessoas estão no coração do placemaking, a criação de uma linguagem para o lugar é importante. A pessoa comum, alguém que more na área, deve ser capaz de entender facilmente esses conceitos. A Força de 10 proporciona essa linguagem comum. Essa abordagem tem significado para as pessoas, porque faz parte da vida delas. É algo de que elas podem ver que faz sentido; algo em que elas podem se encaixar. Não estão repassando o processo para uma outra pessoa, um outro ‘especialista’. Elas querem ser envolvidas e quando ouvem da Força de 10, ficam imediatamente empolgadas.

ATIVIDADES SÃO A CHAVE

Para continuar a construir comunidades vibrantes com ruas prósperas, as atividades são a chave. Ir para a cidade é algo que pessoas gostam de fazer. As atividades farão com que elas continuem indo mais e mais. Infelizmente, em muitas comunidades, os lugares públicos de encontros, como os correios e as bibliotecas, estão saindo das cidades e da rua principal na busca de imóveis maiores e de mais espaço. Manter esses serviços urbanos – ou o que chamamos -‘ancoras da comunidade’- no centro urbano é chave. Quanto mais funções acontecem na cidade, mais viva e vibrante ela será.

Em projetos de revitalização, avaliamos quantos e quais tipos de atividades são disponíveis para as pessoas. Usualmente, há alguma coisa interessante para fazer. Pois perguntamos: podemos expandir isso para duas, quatro, seis outras atividades. Quantos lugares de qualidade situam-se nas proximidades, e como eles são conectados? Há lugares que deveriam ser mais significativos, mas não o são? A resposta a essas perguntas determinará onde as pessoas e os stakeholders deveriam focar as suas energias.

Um grande sucesso é o Parque Bryant, na Cidade de New York. Nos anos 1970, o parque, naquela época altamente ocupado por cercasvivas desalinhadas e cercado por uma grade alta, estava cheio de miséria e traficantes de drogas. O passante comum não tinha qualquer desejo de entrar no parque. Porém, nos anos 1990, isso mudou. O trabalho de William “Holly” Whytre contribuiu muito para a virada do parque. Ele estimulou o redesenho das entradas, o rebaixamento dos arbustos que bloqueavam a vista para dentro do parque, a colocação de cafés de pequena escala e quiosques, e o estabelecimento de uma entidade administrativa, implantada pelo setor privado para segurança e manutenção, comandada por um distrito grande de melhoria de negócios (business improvement district – BID), a Bryant Park Corporation. Foi ideia sua também colocar 2.500 cadeiras móveis no parque. O efeito: as pessoas vieram para sentar, olhar e apreciar a companhia das outras.

FACHADAS E A CALÇADA

A Força de 10 pode ser uma base para iniciar qualquer processo de placemaking. Por definição, placemaking acontece no andar térreo, a cidade ao nível dos olhos. A calçada muitas vezes é um ponto de partida. Há algo apreciável em relação à calçada. É aqui onde entra o princípio da “Triangulação”, no qual elementos adicionais são acrescentados a uma atividade particular, dando mais interesse à atividade; o que precisamos para manter as pessoas caminhando e para manter o seu interesse? Deve haver algo para olhar ou para se engajar; a ideia é estimular o pedestre durante a sua experiência de caminhar.

No nosso trabalho nas ruas principais, esse algo são as fachadas das lojas, que nesse livro são chamadas de plinths. Criar continuidade entre a calçada e as fachadas é essencial para a cidade ao nível dos olhos. As fachadas das lojas devem chegar até o alinhamento – é isso que estimula as pessoas a caminhar, fazer compras, ficar interessadas. Qualquer coisa que tire a atenção das fachadas das lojas é problemática. Por exemplo, recuos súbitos no alinhamento, colunas ou pilares grandes e “zonas mortas” interrompem a rota do pedestre e a linha de visão, criando dificuldades para as lojas cumprirem os seus objetivos: convidar as pessoas para entrar.

Muros cegos, que hoje em dia são sempre presentes nas nossas cidades, são zonas mortas também. Logo que o pedestre chega numa zona morta, ele se desinteressa em caminhar ou fazer compras ou qualquer coisa. Pois a questão se torna: como podemos preencher essas zonas mortas com vida e atividades potenciais? Cartazes, vitrinas, vegetação, marcos históricos, qualquer coisa pode gerar vida no espaço morto. De fato, zonas mortas formam uma ótima oportunidade para a comunidade se unir e criar algo relevante e significativo para ela. O objetivo é promover interesse numa superfície maior possível.

Na maioria dos casos, comerciantes individuais podem fazer pequenas mudanças nas suas fachadas. Pelo fato de que a natureza do comerciante é o pensar sobre o interno – os produtos que ele vende, as vitrinas, a planta da loja e fluxos, publicidade –, pode ser difícil para ele pensar sobre o exterior do prédio. Às vezes, pegamos os comerciantes pela mão, saímos e mostramos a eles o exterior dos seus prédios. É assim que eles podem ser envolvidos na triangulação. Na maioria dos casos, pequenas adições, de baixo custo, podem ser feitas, que não apenas contribuem para a imagem do negócio, mas também ajudam a engajar o pedestre, através da captação de mais interesses para a calçada. Essas adições podem incluir um novo letreiro imaginativo pendurado, a colocação de uma cobertura colorida, vitrinas de lojas criativas, adicionar um banco para sentar, ou colocar mercadorias na calçada.

AS PESSOAS A POSSUEM

Para provocar mudanças, a implementação é o começo. Uma coisa é procurar a prefeitura ou departamento de planejamento para orientação e liderança. Porém, o teste real e melhor para qualquer projeto de revitalização é o envolvimento da comunidade. Nem os comerciantes, nem a prefeitura são donos da cidade, as pessoas a possuem. O caso do Parque Bryant ilustra como os distritos comerciais e bairros urbanos comerciais podem ser revitalizados, através de abordagens inovadoras de pequena escala que estimulem a prosperidade dos negócios locais. Pode ser tão simples como colocar cadeiras na rua, plantar flores e reparar rapidamente qualquer coisa quebrada. Envolvendo a comunidade, o projeto nunca está “pronto”. Continuará a ser modificado, melhorado e ajustado. Isso é uma qualidade determinante de um lugar urbano vibrante. Não basta ter apenas um lugar fantástico num bairro, ou um bairro maravilhoso numa cidade. A coleção de comunidades interessantes é o objetivo último.

Hey, you!
We’re searching for new writers and stories about plazas and city centers.

Interested? Join The City At Eye Level and share your story!

Discover more

RELATED
STORIES

All stories