TEMAS, DIMENSÕES E LIÇÕES QUE CONTRIBUEM

All stories
  • Placemaking
  • City Centers

PARA A CIDADE AO NÍVEL DOS OLHOS

Quando se olha as contribuições que estão neste livro, o que vem à mente é um conjunto interessante em relação aos diferentes atores na “cidade ao nível dos olhos”. Primeiro, há planejamento: pensar para o futuro em relação à maneira com que construímos e desenvolvemos hoje as nossas cidades e ruas. Segundo, há propriedade: o equilíbrio entre o que é desejável e proveitoso do ponto de vista dos investidores e empreendedores no curto e longo prazo. Temos também a ideia de um “sentido de lugar”: uma atitude e entendimento do contexto e das dinâmicas de uma rua, de todos os tipos de observadores que olham para a cidade (pesquisadores, os insiders). A força do projeto é de um outro nível, variando de estéticas (como as coisas parecem) e a experiência da cidade (como as coisas funcionam). O último é o desenvolvimento inteligente: a arte de gerenciar a cidade em cooperação com os stakeholders, para aprimorar a qualidade urbana (pesquisa, experiência e troca de conhecimento como um objetivo compartilhado). Esses aspectos são entrelaçados e não devem ser discutidos separadamente. Por fim, mas não menos importante, as pessoas vivem a cidade: elas usam a cidade ao nível dos olhos e lhe dão certos sentidos compartilhados ao longo do tempo. No final, a sua apreciação dirá como está o pudim.

O QUE O PLANEJAMENTO PODE FAZER

Planejamento urbano é um campo em contínua mudança, devido à maior insegurança e complexidade nas sociedades de hoje. Mais que em desenvolvimentos baseados no objeto, expressões arquitetônicas icônicas e planos estruturais que se movem lentamente, o planejamento hoje em dia é focado nas dinâmicas, na qualidade existente e na energia da cidade para melhorias urbanas. O planejamento está tratando mais da cooperação, de trocar conhecimento e da definição de papeis nos processos. Uma razão importante para essa mudança são os recursos dos governos em declínio. A ambição e a direção da cidade de longo prazo devem encontrar novas conexões com a nuvem de iniciativas das pessoas e dos negócios que supervisionam bem os seus domínios de interesse. Sob a luz da crise econômica atual e exigentes preocupações ambientais e de qualidade para áreas urbanas, essa nova abordagem do planejamento é necessária.

A compreensão da cidade ao nível dos olhos nessa nova abordagem de planejamento é uma área relativamente pouco desenvolvida. Um novo corpo de conhecimento pode ser extraído dos projetos deliberados de tentativa e erro que são conectados a diferentes comunidades na cidade: vê o que acontece, vê se funciona, cria inovações e estabelece uma nova norma. Esse estilo de planejamento demanda uma troca de perspectivas de longo prazo e experiências do curto prazo. O planejamento deve, principalmente, se concentrar em transição e reset, ao invés de em adição e crescimento, porque o número de funções necessárias para bons plinths (lojas, restaurantes, serviços etcetera) é limitado.

O QUE O DESENVOLVIMENTO PODE FAZER

Existe uma diferença entre o desenvolvimento da cidade de uma maneira espontânea e orgânica, e o desenvolvimento que siga esquemas de planejamento e empreendimento de projetos. Do ponto de vista do consumidor – as pessoas que frequentemente usam a cidade ao nível dos olhos -, as ruas urbanas devem ser desenvolvidas e gerenciadas no nível entre os interesses privados e a exibição pública. Essa abordagem trata de gestão de imóveis vazios, uso temporário e envolvimento da comunidade. Esforços do passado provam que pode ser aproveitado um valor acrescentado que não teria ocorrido no caso de uma base puramente comercial. A missão é a de convencer os participantes e preencher o vazio entre o curto horizonte dos empreendedores e o longo prazo de aproveitamentos possíveis.

O QUE A PROPRIEDADE PODE FAZER

A propriedade imobiliária única ou múltipla é uma caraterística essencial e qualificadora das ruas e plinths. É uma mistura de negócios funcionando em vários horários ao longo do dia e da noite que as pessoas esperam de uma cidade vibrante, que elas querem usar o tempo todo. O que a propriedade pode fazer está ligado (dentro do quadro legal de contratos) ao aluguel e diferenças no volume de negócios das lojas. Propriedade imobiliária única e o poder de gestão numa rua podem realizar uma estratégia de longo prazo que pode ser ajustada a mudanças de circunstâncias. Porém, muitas vezes faltam o movimento local espontâneo e as intervenções nas “reais” ruas vitais. Por outro lado, para ruas urbanas com a propriedade em várias mãos, a tarefa é a de providenciar segurança, hospitalidade e conforto. Os dois modelos ensinam lições importantes.

O QUE UM BOM “SENTIDO DO LUGAR” PODE FAZER

Iniciativas, ideias e ambições de negócios locais e globais contribuem para a qualidade da cidade ao nível dos olhos. Por um lado, as lojas e start-ups únicas, muitas vezes de pequena escala, dão uma certa energia, ou couleur locale, à rua. Elas procuram ruas em ascensão, não muito longe do centro urbano ou do coração do bairro ainda marginal, mas, e talvez exatamente por isso, com um certo charme. De outro lado, existem as marcas globais, que exigem um certo tamanho de espaço para estabelecer uma loja flagship e para dar ênfase à marca e a uma experiência de estilo de vida. Essas marcas procuram localizações de alto padrão que oferecem alta densidade e impacto de consumidores. Temos que fomentar ambos os tipos de comércio, porque eles atraem novas pessoas e fazem com que as pessoas voltem para mais. Entre as lojas urbanas locais e as grandes lojas flagship de marcas globais, existe a pequena escala, a assim chamada “cidade calorosa” – feita para passear. É aqui que se encontra a economia criativa e de experiências, nos cafés para tomar café da amanhã, galerias, bares e confeitarias, parques e ruas.

Atores locais e globais pensam e investem na perspectiva do sentido do lugar, de uma ideia sobre uma localização, da posição no padrão do trânsito, densidades das ruas e a sua atração ao público. A luta é encaixar todas as peças do quebra-cabeças em uma só cidade, e atender ao específico sentido de lugar e identidade de cada bairro. Cidades históricas com um sentido de lugar “caloroso” terão problemas para se encaixar nas modernas fórmulas comerciais e de entretenimento de grande escala, enquanto em muitos casos faltam as ruas de pequena escala, necessárias para pequenos negócios e um ambiente acolhedor, nas cidades com um sentido de lugar “moderno”.

O QUE O PROJETO PODE FAZER

Planejamento e desenho urbano foram conduzidos, por motivos muito diferentes ao longo do tempo, mudando do fornecimento de grandes números de habitação de interesse social para a providência de infraestrutura para o automóvel, devido aos grandes parques de escritórios, shoppings e polos de trânsito. Vemos hoje uma nova transição para cidades baseadas em redes e conhecimento – a forma ainda mais complicada.

Por décadas, o desenho urbano contribuiu com temas do desenvolvimento urbano: com o funcionalismo como modo da vida urbana, com os assuntos sociais em habitação e espaço público, com a imagem da cidade em altos edifícios e ícones urbanos e, recentemente, com as questões ambientais e a qualidade da cidade existente. A “cidade ao nível dos olhos” é um novo tema que contribui para a relação entre os prédios e as ruas, e para o impacto do desenvolvimento de prédios altos na experiência ao nível da rua. Há um novo e diferente “comissário” em desenho urbano: melhorias no nível térreo, a facilidade de achar o seu caminho, espaço público, espaço verde e uso temporário. Isso encapsula uma mudança de desenho de um olhar de cima para um olhar do nível térreo, e de uma perspectiva voltada ao impacto para uma outra baseada no usuário.

Hey, you!
We’re searching for new writers and stories about plazas and city centers.

Interested? Join The City At Eye Level and share your story!

Discover more

RELATED
STORIES

All stories