A EXPERIÊNCIA DE 3 HORAS

All stories
  • Economy
  • Heritage
  • Industrial Areas
  • Plazas

LINHA DO TEMPO

1832

Fundação da Destilaria Gooderham & Worts

1990

As operações de destilaria cessaram, criando uma oportunidade para investimentos na maioria dos prédios industriais vitorianos, todos construídos entre 1826 e 1927. Mesmo sem ser publicamente acessível, o terreno foi usado para mais de 800 produções de filmes e produção na televisão

1994

A Cidade de Toronto aprovou o Master Plan de Patrimônio para o Distillery District

1997

Três prédios residenciais – começo do desenvolvimento na periferia do distrito por um incorporador sem fins lucrativos

2001

O terreno foi vendido para incorporadores locais (CityScape, Inc.) que estabeleceram parceria com Dundee Realty; a parceria concretizou o Master Plan

2001

Começo do reuso adaptativo e preservação dos prédios patrimoniais

2003

O Distillery District abriu para o público

2010

Finalização da construção de duas torres residenciais na periferia, uma torre ainda está em desenvolvimento, e os incorporadores se candidataram para a quarta torre.

5
hectares (13 acres)
0
carros permitidos no bairro
40
prédios

CONTEXTO

Depois de 158 anos de produção bemsucedida de destilados, a destilaria Gooderham & Worts finalmente fechou as suas portas em 1990. A sua ótima localização, próxima à orla da lagoa Ontário e a dois quilômetros do Central Business District de Toronto, e os prédios históricos do terreno, fizeram com que os 5 hectares (13 acres) fossem uma ótima opção para renovação e investimento. Os planejadores urbanos de Toronto imediatamente começaram o processo do Master Plan, visando um novo bairro de uso misto, plenamente equipado, com foco em cultura, arte e entretenimento.

PROBLEMA

Desde o início, os planejadores e incorporadores se depararam com obstáculos para planejar o nível térreo. Assuntos como a preservação apropriada e o reuso adaptado dos prédios históricos no terreno, o uso e estacionamento de carros pelos moradores e visitantes da área, a manutenção dos preços baixos de aluguel, manter os locatários do andar térreo felizes durante a construção em desenvolvimento, e como poder atrair pessoas para a área (e fazer com que elas voltem!) foram todos grande desafios que precisavam de planejamento cuidadoso, estratégico. No que diz respeito aos plinths em particular, os prédios físicos foram o desafio. Já que originalmente eles foram projetados para produzir e armazenar álcool, colocar janelas e manter a transparência entre o espaço exterior e interior foi um pesadelo.

SOLUÇÃO

Um andar térreo bem-sucedido significava mantê-lo ativo, seguro e agradável o dia inteiro, e também à noite. O estabelecimento de uma mistura de funções, concentrada ao redor dos lugares de arte e entretenimento (teatros, restaurantes, cafés e bares) garantia uso no distrito durante o dia, à noite o ano todo. O primeiro incorporador, Cityscape Inc., insistiu na criação de uma “experiência de 3 horas” desse hotspot cultural único e dessa comunidade, para os moradores e para os visitantes, onde todos os tipos de pessoas vivem, trabalham e brincam juntos. Para os plinths individuais, a Cityscape escolheu varejistas criativos (certamente não podia ter cadeias comerciais!) que inventaram formas originais de exibir os seus bens e atrair as pessoas para dentro de suas lojas, embora a falta de janelas e de transparência.

Mostramos aos incorporadores que é possível preservar prédios de patrimônio – e fazê-lo bem!

Willie Macrae – planejador, Cidade de Toronto Downtown Section

SEGREDOS

Desenhar para complementar a preservação. O King Parliament Secondary Plan identificou cada prédio do distrito e determinou especificamente quais dos seus componentes era necessário preservar – essencialmente, um conjunto de diretrizes de projeto. Em 2001, quando adquiriu a propriedade, a Cityscape estava muito empenhada na preservação patrimonial de todos os prédios do local, seguindo as diretrizes de projeto e criando uma paisagem urbana que priorizasse a preservação. Como princípio orientador, eles optaram pela restauração para recriar a sensação histórica do bairro. Além disso, as torres residenciais foram projetadas estrategicamente, fazendo com que ficassem finas e situadas na linha periférica do limite do Distrito – desse modo, foi preservada a vista histórica pelos corredores e foi mantida a máxima quantidade de luz do sol no centro da Destilaria.

Pedestrianizar a rua. Fazer com que a área se mantivesse como zona sem carros fez parte do maior componente do sucesso. Lidando apenas com pedestres, foi importante o uso de material que respeitava os entornos e a época dos prédios, projetar as entradas para que essas atraíssem e acolhessem clientes, trazer elementos paisagísticos novos e instigantes e manter outros elementos de design que engajassem os passantes comuns.

Inventar uma experiência de três horas. Arte pública, iluminação urbana, lugares para sentar, janelas transparentes e altos pésdireitos no andar térreo, todos contribuíram para a formação da esfera pública ao nível térreo. Apesar de os usos dentro do Distrito serem diversos, todos se encaixam debaixo do guarda-chuva de arte e entretenimento e criam um espaço acolhedor para que as pessoas caminhem, vagueem e descubram coisas novas – tudo em aproximadamente três horas.

LIÇÕES

Eliminar as grandes cadeias. A Cityscape definiu que não houvesse nenhuma cadeia comercial no andar térreo, para fazer com que a sensação local, do bairro, fosse mantida. Embora elas fossem gerar mais rendimento, a Cityscape sabia que as grandes lojas, que parecem com grandes caixas, prejudicariam a imagem do bairro.

Adquirir parceiros únicos. Os incorporadores se associaram com a Artscape, uma organização sem fins lucrativos que auxilia artistas locais, para subsidiar os espaços de galeria no andar térreo. Dessa maneira, pequenos artistas locais podem se colocar, usar e permanecer nos espaços no nível térreo.

Programar eventos. A programação constante de festivais e eventos durante o ano trouxe as pessoas para o Distillery District. Já que o clima foi um preditor consistente do tráfego de pedestres, os eventos amorteceram os efeitos do frio invernal e aumentaram o tráfego de pedestres, assim como também reforçaram a comunidade e a economia local.

IMPACTO

Economicamente, os locatários no Distrito se dão muito bem, em especial os do teatro. Artistas vieram e foram dos espaços das galerias, como já era previsto, e o nível térreo experienciou bastante circulação, embora os estabelecimentos principais e os locatários dos escritórios tenham permanecido. A pedestrianização do Distrito impactou o restante de Toronto. Já que a cidade tenta abraçar mais espaços voltados aos pedestres, zonas sem carros e implementar mais projetos de melhorias para os pedestres, os planejadores urbanos olham o sucesso do Distrito para visões e estratégias chave. Finalmente, em termos de preservação patrimonial, o Distillery District mostrou aos céticos que pode ser feito, que pode funcionar.

FAZER

  • Reuso adaptado e desenvolvimento dos locais históricos, previamente usados para fins industriais
  • Associar-se com organizações sem fins lucrativos e únicas, que podem trazer criatividade à mesa
  • Criar diretrizes de design para a área, que podem complementar o projeto existente
  • Pensar estrategicamente sobre a experiência potencial dos usuários.

Hey, you!
We’re searching for new writers and stories about plazas and city centers.

Interested? Join The City At Eye Level and share your story!

Discover more

CONCLUSÃO

Desde a sua inauguração em 2003, o Distillery District foi uma história de sucesso de renovação histórica de uma área anteriormente industrial, especialmente ao nível térreo. Mostrou-se, também, como o uso de arte pode drasticamente melhorar um bairro urbano. Ruas e bairros exclusivamente para pedestres são únicos na cidade de Toronto, e os planejadores queriam mostrar à cidade que, se funcionou no Distillery District, pode funcionar em outros lugares. Através da parceria única com a Artscape, o Distillery conseguiu estabilizar os seus locatários nos espaços de galerias e apoiar artistas novos e locais. As outras parcerias entre a Cityscape e empresas educacionais, culturais e de entretenimento levaram o Distrito também na direção certa e solidificaram a ocupação locatária dos prédios. Finalmente, os que
moram nas torres residenciais na periferia do Distrito, recentemente concluídas, continuarão a apoiar e aprimorar um nível térreo ativo dentro e ao redor do Distrito – um componente importante para qualquer andar térreo bem-sucedido. O maior desafio para os próximos anos, como explicou David Jackson, da Cityscape, é fazer com que a vibe artística original do bairro seja mantida.

RELATED
STORIES

All stories